São Paulo, 23 de Fevereiro de 2017

/ Blogs

Opostos e complementares
Imprimir

Assim como foi com a qualidade nos anos de 1990, sustentabilidade será premissa básica para qualquer marca sobreviver

Há cerca de 20 anos, uma das principais febres nas empresas brasileiras era a questão da Qualidade Total, conceito importado principalmente de experiências nipônicas responsáveis pela decolagem industrial daquele país – sendo a Toyota seu principal símbolo – a partir da ajuda de consultores norte-americanos.

Por aqui, os jargões e fundamentos desta teoria desembarcaram com uma obsessão por processos, sistematizações, reengenharias e neologismos outros. Áreas foram criadas especificamente para cuidar do assunto e, ao mesmo tempo, o racionalismo da época cortou milhares de posições empresas afora.

Hoje, no entanto, o que era novidade hoje é o básico. Não se discute: marca sem qualidade está fora antes mesmo antes de o jogo começar.

O mesmo acontecerá com a sustentabilidade. Embora haja muitas empresas ainda batendo cabeça sobre como incorporar tal conceito em seus respectivos negócios, em um breve futuro ele passará a ser o início da conversa, assim como a qualidade.

A seleção do mercado cortará em seu processo natural as marcas que visarem apenas o lucro em detrimento de uma boa prestação de serviços ou oferta consistente de produtos. O que está por trás desta lição de casa bem feita é, justamente, a capacidade de cada organização enxergar-se como uma corporação incluída em uma grande comunidade de interesses, atenta aos impactos ambientais, econômicos e sociais de sua atuação.

Falar em sustentabilidade não é despejar um balde de tinta verde sobre as rotinas, ritos e discursos da marca, mas torná-la uma premissa verdadeira de negócio. Quem ditará o ritmo desta transição são, justamente, os cidadãos. E o movimento está acelerado.

Uma pesquisa da consultoria Tiller junto a 1.005 norte-americanos em 50 estados mostra que o aquecimento global é uma das grandes preocupações dos habitantes daquela nação, enquanto 43% recusariam comprar produtos descompromissados com questões ambientais. Entre os entrevistados, 58% disseram estar mais conscientes sobre o tema nos últimos anos, mas apenas 21% acreditam que os esforços das empresas quanto à sustentabilidade são genuínos.

Paradoxalmente, o bolso dolorido fará com que as empresas deixem de olhar apenas para ele e observem um contexto muito mais amplo e que requer urgente atenção.



Vistos como o principal motor da sociedade do conhecimento, os empreendedores criativos precisam melhorar como gestores para cumprir seu potencial de criar riqueza

comentários

Enquanto outros países correm para mudar as condições que prejudicam a vida profissional feminina, o Brasil assiste parado aos prejuízos causados pelo excesso de tarefas das mulheres e a desigualdade salarial

comentários

Quer saber como lidar com mudanças? A Rede Ubuntu, criada por Eduardo Seidenthal, se especializou em preparar pessoas e empresas para dar o salto que o mundo exige. A própria rede é o exemplo

comentários