São Paulo, 25 de Setembro de 2016

/ Blogs

O amanhã segundo a Geração Z
Imprimir

O que pensam das empresas os nascidos entre 1995 e 2009

Não há farol que ilumine melhor o futuro da relação entre cidadãos e marcas do que estudos a respeito do comportamento das gerações mais jovens. Pesquisa recente divulgada pela consultoria Salt na conferência Sustainable Brands, em Londres, afirma que os membros da Geração Z – nascidos entre 1995 e 2009) são muito mais preocupados com a atuação das empresas em torno de causas de interesse público.

Os 500 respondentes da pesquisa afirmam que, no mundo contemporâneo, alguns temas devem ser prioritários para ações públicas e privadas, como a busca da paz, erradicação da pobreza, igualdade de gênero e mitigação dos efeitos das mudanças climáticas.

Embora reconheçam o papel do Estado como essencial para a resolução destes desafios, os adolescentes acreditam que estes propósitos devem ser a principal mola propulsora das empresas – e não apenas objeto de filantropia.

No futuro, as causas serão o negócio, pois a sociedade assim exigirá. Sua empresa está preparada? Se ainda não pensou nisso, comece.



Não há outra maneira para gerir uma marca se não houver plena consciência das três dimensões temporais

comentários

É diferente falar de propósito na Dinamarca e em Serra Leoa, claro – as necessidades são profundamente díspares. Mas, se a humanidade aponta para um caminho no que diz respeito às organizações, deve-se olhar para ele

comentários

Um panorama de depreciação econômica e ética pede largas doses deste sentimento que é, também, um importante indicador

comentários